Author Archives: Ciclo Engenharia

About Ciclo Engenharia

Elaboramos informação técnica especializada para a reparação automotiva: desenhamos diagramas elétricos automotivos em um padrão próprio que uniformiza a leitura dos esquemas independentemente de sistema (injeção eletrônica, abs, ar condicionado, etc...) ou montadora (Fiat, Ford, GM, VW, Renault, etc...). Com a mesma estrutura, desenvolvemos a ferramente Pinout Gráfico Interativo, uma nova forma de apresentar as ligações elétricas entre os componentes dos veículos. Esse padrão permite uma visualização macro do sistema, pois evita a sua fragmentação e facilita a leitura na medida em que elimina o trança-trança de linhas no papel. Os diagramas elétricos são organizados em Volumes e Coleções acessados online através da página diagweb.com.br. O produto final é vendido à Profissionais da área de reparação automotiva espalhados em todo o território brasileiro, e em outros países como o Uruguai, Argentina, Chile e Paraguai.

Lógica de partida nos Modelos GM

Apresentamos um diagrama de blocos para um melhor entendimento da lógica de partida nos modelos GM

Em situações de falha na partida (motor não gira), esse diagrama ajuda na análise de possíveis áreas do circuito a serem investigadas.
De acordo com o diagrama:
  • O relé de partida é comandado pela UCM de controle do motor através do envio de um sinal positivo.
  • O módulo de controle da carroceria (BCM) monitora o contato da chave de ignição através do terminal c15, que muda o status de sua tensão quando é acionado a partida (linha +50). Ao receber o sinal de partida, o módulo de controle da carroceria (BCM) envia a solicitação de partida a UCM de controle do motor via rede de dados.
Outros sinais de entrada necessários para o acionamento do relé de partida:
  • Sinal p/n de posição da alavanca do câmbio (modelos com transmissão automática);
  • Sinal +12v do interruptor de posição do pedal da embreagem (no caso da S10 cambio mecânico).
Para modelos com sistema de partida sem chave, o sinal do botão de partida é enviado a unidade de controle do sistema de partida sem chave, em seguida, à unidade de controle da carroceria (BCM) que o envia ao módulo de controle de motor via rede de dados.
É muito importante considerar que as principais causas de falha na partida (motor não gira), ainda estão relacionadas a:
  • Bateria fraca, descarregada;
  • Aterramentos deficientes por mal contato ou oxidações nos terminais do chicote;
  • Cabo negativo da bateria com resistência excessiva;
  • Motor de partida defeituoso.
Os diagramas com detalhes para os sistemas de partida dos diversos modelos GM podem ser acessados via diagweb: https://www.diagweb.com.br/Pesquisa/0/0/0/0/4/42/0/0/0/28/-/

 

Dica Técnica de Transmissão Automática


Por Hélio Czerny

Transmissão Automática

Deixa de funcionar após a remoção / instalação da caixa ou do motor

Percebo que é bastante comum o reparador remover o motor ou a caixa de câmbio de veículos equipados com transmissão automática e após a instalação dos mesmos a caixa automática já não funciona mais.

Quando falamos de câmbio automático, estamos falando de um complexo sistema hidráulico e mecânico. Pois bem, para que a parte hidráulica funcione de maneira adequada, precisamos, antes de tudo, que o fluído hidráulico (ATF) seja pressurizado. Para tanto, o câmbio automático conta com uma bomba interna. Essa bomba é acionada pelo conversor de torque que, para isso, é ligado a ela por seu gargalo, por uma árvore ou por algum outro meio.

Ocorre que o reparador, ao retirar o câmbio ou o motor, acaba deixando o conversor de torque preso ao motor. Ao recolocar a transmissão ou o motor em seu lugar, também o faz com o conversor preso ao motor.

É nesse momento que acontece o problema, pois o conversor possui encaixe próprio com a bomba do câmbio. Quando montamos o conjunto com o conversor preso ao motor, não é possível fazer o correto acoplamento com a bomba da transmissão. Dessa maneira, ao apertar o motor ao câmbio, como o conversor não está encaixado corretamente à bomba, ocorre a quebra da bomba da transmissão. A partir daí nada mais acontece na transmissão devido a falta de fluido sob pressão.

O procedimento correto para a montagem é encaixar o conversor na caixa de câmbio tendo a certeza de que ele foi até o final. Além disso, é preciso ter muito cuidado para que o conversor não se desencaixe de seu alojamento durante a recolocação do motor ou da transmissão. Caso contrário teremos danos causados à bomba.


Hélio Czerny é Instrutor de câmbio automático e automatizado e proprietário da Hellis Treinamento e Desenvolvimento.

www.hellis.net.br | Facebook.com/hellistreinamentos

Whatsapp: (65) 9.8163-3021 | E-mail: helio@hellis.net.br

Dica Técnica Ranger NGD 3.0

Ranger NGD 3.0

Memória de erro P0200 circuito dos injetores


Por Aparecido Oliveira – EAOL – Campinas

 

Defeito:

Não pega

Pesquisando o Código de Falha P0200 no Diag App:

 

Procedimento:

Verificando a continuidade do chicote dos injetores, contatos dos conectores e resistência dos injetores, detectamos que o injetor do cilindro 4 estava com resistência alterada, variando. 5 a 300 kOhm.

Veja o diagrama completo em: https://www.diagweb.com.br/Pesquisa/23021

 

Foi ligado um injetor no conector do cilindro 4 para teste sem monta-lo no lugar para comprovar o seu funcionamento.

 

Solução:

Substituir o injetor do cilindro 4.

 

Nota:

O veículo pega com um injetor desligado desde que não grave o erro P0200.

Desconectando um injetor com o motor funcionando o módulo inibe o cilindro.

Resistência normal em torno de 200 kOhm, porém deve ser estável. É recomendável medir a capacitância do injetor.


diagwedica

Novidades Diagweb Agosto

Neste post mostramos novidades do diagweb, não apenas em relação à novas informações inseridas, mas também aprimoramentos na plataforma para melhorar a experiência de uso da página.


Sincronismo do Motor Gol 3 cilindros

06/08/2018

Começamos a semana com tudo, desta vez as novidades são de procedimentos de Sincronismo do Motor e a Rota de Correias de Serviços ou Acessórios para:
Gol 1.0 12V CSEA 3 cil.
Gol 1.0 12V WHYA 3 cil.
Gol 1.0 12V CHYB 3 cil.
Gol 1.0 12V CWRA 3 cil.
Estes diagramasestão  disponíveis exclusivamente para assinantes do Diagweb.

UP! TSI 2017-2018

Já tínhamos publicados os primeiros  diagramas elétricos da Injeção Eletrônica para o UP! TSI 2016, e hoje continuamos com o UP! 1.0 12V TSI CYTA 2017-2018 (3 Cilindros), das 6 versões (Black, Connect, Cross, High, Move, Pepper, Red, Speed e White) do modelo da Volkswagen:
Estes diagramasestão  disponíveis exclusivamente para assinantes do Diagweb.

Hilux 1KD-FTV

16/08/2018

Publicamos os diagramas elétricos da Injeção Eletrônica da Hilux SW4 SRV 3.0 16V 1KD-FTV Diesel TDI Automatic 4 Marchas 4×4 2012.
Estes Diagramas, mais outros 10 diagramas elétricos correspondentes aos principais sistemas embarcados deste modelo, estão disponíveis no Diag Volume 28 e para assinantes do Diagweb.

Sincronismo Argo

17/08/2018

Desta vez as novidades são de procedimentos de Sincronismo do Motor e a Rota de Correias de Serviços ou Acessórios para:

Argo 1.0 6V GSE 3 cilindros

Estas informações formam parte dos conteúdos exclusivos para assinantes do Diagweb.

Injeção Logan/Sandero

22/08/2018

Complementando as informações contidas no Volume DIAG 26, publicamos 17 diagramas elétricos de injeção eletrônica dos modelos Logan e Sandeiro Continental EMS 3120 2015-2016:

Confira a lista completa no link: https://www.diagweb.com.br/Pesquisa/0/0/0/0/4/33/0/351/0/0/-/

Estes diagramas estão disponíveis para assinantes do diagweb e clientes que possuem o volume DIAG 26.


Diagramas na Tela Cheia

21/08/2018

Atendendo a uma das solicitações feitas por alguns dos nossos usuários, criamos a opção “tela cheia” para os nossas informações no diagweb, confira como habilitar:

Agora você pode eliminar o “ruido” da página para focar somente na informação que te interessa, sem necessidade de impressões desnecessárias, nem de salvar arquivos no pc.

Basta apenas habilitar a opção no diagweb.


Sincronismo JAC Motors

24/08/2018

Publicamos os procedimentos de sincronismo do motor dos modelos J2 e J3 da JAC Motors.

Estas informações estão disponíveis exclusivamente para assinantes do diagweb.


Novidades de Navegação

27/08/2018

  • LOGIN

Agora é possível fazer Login na sua conta diagweb usando o CPF ou CNPJ da conta para acessar ao seu cadastro (Exclusivo para Brasil).

  • Pinou Gráfico mais veloz
Fizemos uma mudança no sistema, melhorando a velocidade de geração do pinout gráfico.  Esta alteração trouxe um ganho de tempo de 90 segundos  para apenas 3 segundos.
  • Procedimento de trocas de PC

Use o Diag App para habilitar o PC de acesso ao diagweb em um simples passo:


Mais Injeção Logan/Sandero

29/08/2018

Continuamos com a produção de diagramas elétricos de:

Logan e Sandero 1.6 8V K7M Hi-Flex

Estes diagramas estão disponíveis para assinantes do diagweb e clientes que possuem o volume DIAG 26.


A evolução dos Diagramas Ciclo

Como acontece na natureza, todas as espécies do nosso planeta vivem em permanentes processos evolutivos, provocados pelas diferentes condições às quais se encontram inseridos (condição de umidade, tipo de solo, temperatura, recursos disponíveis, etc.). Esta analogia serve para comparação com o que tem ocorrido em nossos Diagramas Elétricos. A criação do nosso padrão de diagramas nasceu em 1994, com os primeiros motores gerenciados por injeção eletrônica e foi evoluindo, conforme novas tecnologias e alterações iam aparecendo nos veículos.

Esta é a visão do nosso primeiro diagrama elétrico:

Os primeiros diagramas que elaboramos tinha esta cara e a nossa intenção era a de simplificar ao máximo as ligações do sistema, facilitando a sua leitura e interpretação. E cumprimos os nossos objetivos.

Assim nasceu o layout do diagrama elétrico Ciclo, pensado sempre em apresentar uma mesma linha de desenho, mantendo um padrão de localização dos aterramentos, alimentação positiva, sensores, injetores, bobinas e outros atuadores na mesma sequência em todos os diagramas, sem cruzar linhas, apenas ligando os elementos do desenho com linhas horizontais e imaginando que existisse uma máscara que ocultasse todos os outros componentes e deixasse visível apenas o componente que estivesse em estudo.

 

Os volumes editados pela Ciclo seguiam uma numeração e a partir do volume 08 demos o primeiro passo evolutivo, um passo discreto, apenas acrescentamos uma legenda que identificava a cor dos fios no diagrama. Agora era possível usar a cor da fiação como auxiliar na identificação dos circuitos:

A evolução das unidades de controle significou o gerenciamento de diversos sistemas feitos por uma única central. A Ciclo resolveu essa situação apresentando todas as ligações a esse módulo de controle usando cores para separar os sistemas. Dessa forma, os componentes necessários ao controle do motor são apresentados em amarelo, os da transmissão em azul, os da partida e imobilização em verde, os do arrefecimento e climatização em magenta e outras unidades de controle em laranja.

Figura 3 – https://www.diagweb.com.br/Pesquisa/75249 – páginas 1 e 2

 

A partir da publicação do volume 13, a Ciclo Engenharia então introduziu a estratégia de mostrar 100% das ligações de uma unidade de controle e usar um código de cores como separador de sistemas.

Com a elaboração do conteúdo de arquivos que viriam a formar o volume 22 algumas alterações importantes foram introduzidas. A Ciclo Engenharia investiu num novo modelo produtivo de diagramas elétricos. Esse novo modelo produtivo tinha como base ter um banco de dados em códigos, como se representasse uma planilha, e caberia a um software interpretar esses códigos e montar os desenhos conforme as regras de padronização impostas pelo lay-out da Ciclo.

Essa mudança no modelo produtivo impediu a evolução da versão software de distribuição e inviabilizou qualquer possibilidade de gerar uma versão impressa com todo o conteúdo gerado. A única opção seria o sistema em nuvem. A Ciclo Engenharia poderia a ser uma editora de desenhos de diagramas elétricos sem desenhistas.

A fim de manter a confiabilidade da informação, a equipe de desenvolvimento do software introduziu uma solução que permitiria a visualização gráfica de cada circuito que finalizava em um conector qualquer. Ao avaliarmos essa solução para um problema interno, chegamos à conclusão que se tratava de uma nova forma de apresentar um diagrama elétrico e que poderia ser muito útil aos nossos clientes na busca por falhas relacionadas a curto-circuito e circuito aberto. Denominamos esse tipo de visualização como pinout gráfico interativo. Nenhuma outra empresa no mundo faz isso.

Figura 4 – https://www.diagweb.com.br/Pesquisa/46/1446

É interativo porque passando o mouse sobre cada objeto na tela este se ativa e permite a opção de se gerar um novo pinout gráfico a partir da seleção desejada.

Nesse novo modelo produtivo a Ciclo passou a ter 2 modelos distintos de diagramas elétricos, um que representa as ligações do sistema e outro que mostra a ligação de cada circuito a um conector mostrando todas as junções e conexões intermediárias de cada circuito.

Os diagramas mais simples, tais como abs, airbag, painel de instrumentos desde já passaram a ser desenhados pelo nosso software e o diagrama elétrico deixou de ser um desenho bidimensional e passou a ser um conjunto de objetos ativos na tela.

Figura 5 – a partir da escolha anterior é possível chegar a esse diagrama do ABS sem a necessidade de voltar ao índice

Os desenhos mais complexos como os de injeção eletrônica ainda continuaram a ser produzidos na maneira convencional até o conteúdo de arquivos do volume 27.

No entanto, mesmo esses novos desenhos elaborados na metodologia antiga permitem a pesquisa de palavras no desenho com o uso da ferramenta de busca (CTRL+F) do navegador.

Atualmente quase todos os diagramas elétricos já são desenhados pelo nosso software e a fase de transição está sendo finalizada.

Agora nós podemos começar a brincar com o banco de dados e personalizar informações específicas a cada objeto na tela, tais como tradução, fotos, vídeos, informações técnicas de localização, valores, códigos de falhas, etc… Tudo de uma maneira muito fácil e intuitiva para os usuários do nosso sistema.

O novo modelo produtivo nos deu mais velocidade e usamos esse novo impulso para iniciar a elaboração de todos os diagramas elétricos de um veículo.

E o melhor de tudo. Nossa metodologia de elaboração de diagramas elétricos que começou com a restrição imposta de não trançar linhas no papel, se adaptou como uma luva à visualização em smartphones.

Figura 8 – O padrão de desenhos da Ciclo é perfeito para uso em smartphones

Com a nossa tecnologia é possível conseguir um tamanho de fonte legível e ao mesmo tempo identificar as duas extremidades das ligações.

Muito diferente da solução do que acreditamos ser o principal concorrente da Solera nos EUA, onde quando se consegue legibilidade, exige-se o arraste de tela e aparece um emaranhado de linhas onde o usuário se perde:

Figura 9 – Concorrente tela 1

Figura 10 – Concorrente tela 2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ou para visualizar as duas extremidades, além da necessidade de rotação de tela perde-se a capacidade de leitura por causa do tamanho muito reduzido da fonte.

Figura 11 – Concorrente tela redução para visão global

Venha conhecer o diagweb, ele foi criado para ajudar você a se tornar um profissional mais capacitado para encarar a complexidade da industria automotiva!

 

 

 

 

VW I-MOTION Código de Falha P0807


Por Hélio Czerny

Essa dica foi feita em função das diversas consultas que recebi a respeito do código P0807 gerado pelo sistema I-Motion.

Tal código está relacionado ao sensor de posição da embreagem. Esse sensor é do tipo PLCD e, portanto, necessita de interferência magnética para o seu correto funcionamento.

Essa interferência é gerada por um imã que está localizado no interior do atuador hidráulico. Sem ele, o sistema não funciona.

Pois bem, tenho observado que está havendo a aplicação incorreta dos atuadores, ou seja, apesar de alguns terem a mesma aparência externa (inclusive com os furos para a fixação do sensor), internamente não o são pois lhes falta o imã.

Assim sendo, no momento em que o atuador é substituído fazendo o uso da peça errada, o sistema passa a não funcionar e gera o código P0807 e o valor referente à posição da embreagem costuma ficar em 1591.

DICA: como o atuador correto deve possuir um imã interno, basta aproximar uma lâmina fina, perto da região de fixação, do atuador e verificar se a mesma é atraída. Caso isso ocorra, a peça é a correta para a aplicação no sistema I-Motion. Caso contrário, ela NÃO deverá utilizada pois trata-se de um componente aplicado no sistema NÃO automatizado.


Hélio Czerny é Instrutor de câmbio automático e automatizado e proprietário da Hellis Treinamento e Desenvolvimento.

www.hellis.net.br | Facebook.com/hellistreinamentos

Whatsapp: (65) 9.8163-3021 | E-mail: helio@hellis.net.br

Dica Técnica SSangyong – motor em regime de emergência

Motor em regime de emergência, luz de diagnóstico acesa

SSangyong Actyon Sports 2.0 Xdi 2010 (A200s)

Sistema Dephi EDC 2.0


Por Aparecido Oliveira – EAOL – Campinas

Defeito: Motor em regime de emergência, luz de diagnóstico acesa.

Memória de erro:

  • P0102 – medidor de massa de ar – sinal muito pequeno
  • P0103 – medidor de massa de ar – sinal muito grande
  • P1520 – válvula EGR curto circuito ao positivo

Procedimentos: Verificação de valores reais com scanner, massa de ar constante e ausência de sinal PWM controle da válvula EGR.

  • Medida a tensão de alimentação e o sinal do sensor de massa de ar e válvula EGR.
  • Detectada a falta de alimentação de 12 V no medidor de massa de ar e no solenoide da EGR.

 Nota: Válvula EGR havia sido descarbonizada recentemente.

Conforme o esquema elétrico, a alimentação é proveniente de fusível na saída do relê principal:

Solução:

  1. Localizado o fusível, o mesmo estava queimado.
  2. Substituído após verificar que o chicote e a resistência da válvula EGR estavam em ordem.
  3. Apagada a memória de erros e efetuado o teste de rodagem.

Caixa de fusíveis EDC lateral direita do painel

 


Quer conhecer mais sobre nós?

Novas Inclusões Diagweb

Neste post reunimos às novidades incluídas no diagweb no do mês de julho

A caixa de relés e fusíveis do vão do motor também ficou pronta, e acompanha esta publicação, confira.


 

  • Publicamos os diagramas elétricos da Injeção Eletrônica da Hilux SW4 SRV 3.0 16V 1KD-FTV Diesel TDI Automatic 4 Marchas 4×4 2012.

https://www.diagweb.com.br/Pesquisa/0/150/0/0/4/32/0/0/0/34/-/

Estes Diagramas, mais outros 10 diagramas elétricos correspondentes aos principais sistemas embarcados deste modelo, estão disponíveis no Diag Volume 28 e para assinantes do Diagweb.

 

 

Dica Técnica I-motion – Erro P175F


Por Hélio Czerny

Frequentemente recebo consultas a respeito desse erro que se apresenta no sistema i-motion.

O código p175f indica a falta de ajuste do ponto de contato da embreagem, ou seja, o kiss point.

Esse procedimento deve ser executado com scanner e o motor deve estar com a temperatura abaixo dos 60º.

Entretanto, em alguns casos, mesmo após várias tentativas, inclusive com scanners de marcas diferentes, o reparador não consegue efetuar o procedimento de ajuste.

Na maioria das vezes o problema está na válvula ev0 (válvula de controle da embreagem) que não está funcionando adequadamente e, portanto, impede que o sistema consiga efetuar a calibragem.

Contudo, outros fatores podem impedir o correto aprendizado da embreagem, tais como:

  • Sujeira no robô (causa mau funcionamento das válvulas);
  • Folga axial do virabrequim excessivamente alta;
  • Desgaste do tubo guia do rolamento da embreagem (principalmente se causar travamento parcial ou total do rolamento);
  • Ponto de contato alto (alguns scanners não programam a embreagem nessa condição). nesse caso, se tudo estiver funcionando adequadamente, o reparador deverá dar partida no motor, deixá-lo funcionando por 10 segundos e desligá-lo. esse procedimento deverá ser repetido entre 20 e 40 vezes, aproximadamente. Isso fará com que o ponto de contato baixe (repito, se tudo estiver de acordo).

Hélio Czerny é Instrutor de câmbio automático e automatizado e proprietário da Hellis Treinamento e Desenvolvimento.

www.hellis.net.br | Facebook.com/hellistreinamentos

Whatsapp: (65) 9.8163-3021 | E-mail: helio@hellis.net.br

Caixas de Relés e Fusíveis

A caixa de relés e fusíveis é uma peça chave no diagnóstico automotivo, por isso que é de extrema importância ter esta informação a mão sempre que necessário.

Criamos este post para que você possa encontrar de forma rápida e fácil a Caixa de Relés e Fusíveis no diagweb, veja:

Há duas formas de encontrar a Caixa de Relés e Fusíveis no diagweb:

  • A primeira é a partir do diagrama elétrico da injeção eletrônica do veículo. Uma vez dentro do diagrama, você encontrará esta informação nas páginas que compõem este arquivo:

Forma de encontrar a Caixa de Relés e Fusíveis nos diagramas elétricos de Injeção Eletrônica


  • A segunda forma é uma das novidades de inovação do portal diagweb. Você encontra a Caixa de Relés e Fusíveis do veículo selecionado independentemente do sistema selecionado. Apenas basta entrar no arquivo escolhido e buscar pela aba correspondente:

Caixa de Relés e Fusíveis no novo formato de abas do diagweb