Sistemas de Injeção: Como otimizar os processos de combustão

Por | 30 de março de 2017

Tipos de Injeção – Parte 4

Por que usar borboletas direcionadoras de ar no coletor de admissão?

POR FÁBIO VON GLEHN

Para otimizar os processos de combustão, é comum que se utilize uma borboleta direcionadora de ar no coletor de admissão. Essa borboleta permitirá à unidade de controle do motor trabalhar tanto com a formação da mistura homogênea quanto estratificada.
Quando a borboleta direcionadora está alinhada horizontalmente com o coletor o fluxo de ar no interior da câmara segue um fluxo similar ao de um tombamento, o que favorece um processo de homogenização da mistura. Quando a borboleta direcionadora está alinhada verticalmente o fluxo de ar no interior da câmara segue um fluxo similar ao de um turbilhonamento, o que irá provocar um favorecimento para a estraficação da mistura pelo arraste do ar.


Então a simples posição da borboleta na horizontal ou na vertical permitirá decidir entre os processos homogêneo e estratificado. O que se faz é utilizar a estratégia estratificada (borboleta na vertical – função swirl ou de turbilhonamento) com o motor em marcha-lenta ou em cargas parciais e mudar de estratégia para homogênea direta (borboleta na horizontal – função tumble ou de tombamento) quando o motor se aproxima da plena carga.


Essa mudança de estratégia de estratificada em cargas parciais para homogênea direta em plena carga permite uma folga ao trabalho do injetor de combustível por causa do reduzido tempo disponível para a formação da mistura, pois no caso da mistura estratificada tem-se o tempo de compressão para isso enquanto na mistura homogênea o tempo de admissão. Ou seja, quando o tempo de formação da mistura reduz por causa do aumento da rotação do motor, o tempo para formação da mistura ganha um alívio ao trocar o tempo de compressão, menor, pelo tempo de admissão, maior. E tudo isso mudando apenas uma borboleta de posição (vertical para horizontal) e antecipando o trabalho do injetor (durante a compressão para durante a admissão) caso a carga mude de parcial para plena. Ou o inverso se de plena para parcial.

Fique atento continuaremos esta matéria nas próximas semanas.


One thought on “Sistemas de Injeção: Como otimizar os processos de combustão

  1. Pingback: Sistemas de Injeção: Estratégias de estratificação da mistura | Blog Ciclo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.